• Dr. Bruno de Oliveira

Adicional de Transferência: 9 Perguntas e Respostas sobre o Assunto.

1) Em quais casos o adicional de transferência deve ser pago ao trabalhador?

O Adicional de transferência deve ser pago aos empregados que forem transferidos para localidades diversas da prevista no contrato de trabalho. A transferência deve ser temporária e o trabalhador deverá necessariamente mudar de domicílio.


2) Posso ser transferido, mesmo não concordando?

Via de regra, é vedado ao empregador transferir o empregado sem a sua concordância (artigo 469 da CLT).

Entretanto, existem 3 (três) casos em que a transferência do pode ocorrer de forma unilateral, sem necessidade de sua concordância:

1. empregados que exerçam cargo de confiança;

2. quando o contrato de trabalho prevê a transferência de forma explícita ou implícita, desde que decorra de real necessidade do serviço; e

3. se a filial em que o empregado trabalha fechar.


3) Qual o valor do adicional de Transferência?

O percentual devido pelo empregador para o empregado transferido temporariamente deve ser no mínimo 25% sobre o valor total do salário, enquanto durar a transferência (art. 469, § 3º da CLT).


4) Empregado que exerce cargo de confiança tem direito a receber adicional de transferência?

Sim. Apesar de não haver necessidade de concordância para transferência, os empregados que exercem cargo de confiança e forem transferidos provisoriamente, de modo que seja necessária sua mudança de domicílio, terão direito ao adicional de transferência.

Ressalta-se que a transferência somente será considerada válida se a empresa comprovar a real necessidade do serviço, sob pena de ser considerada uma transferência abusiva.


5) Havendo previsão de transferência no contrato de trabalho o empregado perde o direito ao adicional de transferência?

Não. Do mesmo modo que o Cargo de Confiança, a previsão em contrato apenas elimina a necessidade de concordância do empregado referente à transferência. Havendo transferência temporária que implique na mudança de domicílio, o adicional será devido.


6) Se a transferência for a pedido do empregado ele tem direito ao adicional?

Não. Em caso de pedido de transferência, o empregado é quem deve arcar com custos de transferência e novo domicílio, não sendo devido o adicional de transferência.


7) Se a filial da empresa fechar, empregado é obrigado a aceitar a transferência para a outra filial?

Nos casos de extinção de uma filial e possibilidade de transferência para filial em outra região, o empregado é obrigado a aceitar a situação.

Em caso de recusa, pode por ocorrer a justa causa, já que a sua conduta pode ser interpretada como indisciplina e insubordinação.


8) Empregado transferido de forma definitiva tem direito ao adicional?

Não. A transferência do empregado para localidade diversa da estipulada no contrato de trabalho de modo definitivo não dá direito ao adicional de transferência.

Entretanto, as despesas com a mudança de domicílio são de responsabilidade da contratante até que o trabalhador consiga se estabelecer em sua nova região de trabalho.


9) De quem é a responsabilidade pelo pagamento das despesas com a mudança de domicílio do empregado?

Todas as despesas com a transferência do empregado para outra localidade deverão ser pagas pelo empregador. Essa situação é válida tanto para transferências provisórias quanto para transferências permanentes.


Ficou com dúvida.

Entre em contato.

Advogado Trabalhista em Canoas - Bruno de Oliveira

advbrunoo@gmail.com

www.advcanoas.com.br

Gostou do conteúdo?

Compartilhe nas redes sociais.

Siga-nos nas redes sociais


9 visualizações
logo-whatsapp3.png

Advogado Trabalhista - Dr. Bruno de Oliveira

©2018 por Advogado Bruno de Oliveira - Consultoria e Assessoria Jurídica.